fbpx

Como aplicar escuta ativa na prática

Muitos consideram que ouvir alguém é uma tarefa passiva, e de fato pode ser, se não aplicarmos alguns princípios que nos levem a ir além de simplesmente ouvir. Essa é a base da escuta ativa na prática. No ambiente de trabalho, vivemos uma dualidade: estamos frequentemente cercados de distrações ao mesmo tempo em que nossa mente está focada em resoluções de problemas. Ou seja, sem a escuta ativa, corremos o risco de não ter uma comunicação eficiente e até perder contribuições valiosas. Escutar é diferente de ouvir! Costumamos usar essas duas palavras como sinônimos, mas na prática não é bem assim. Muitas vezes, preparamos momentos e situações para que o colaborador seja ouvido. Deixamos que ele fale suas percepções e dê sua opinião. Mas escutar é prestar atenção e absorver de alguma forma o que a pessoa está falando. E a escuta ativa ainda dá um passo adiante, permitindo captar o que está sendo falado e refletir sobre isso, favorecendo um processo de melhoria contínua. Em que nível você escuta? Do hábito de apenas ouvir à escuta ativa, existe um grande caminho a ser percorrido. E só é possível trilhá-lo ao se conscientizar que ele existe e compreender em que etapa você está. Mas como realizar a escuta ativa na prática? Antes de tudo, é preciso querer escutar e encorajar as pessoas a se abrirem. Mas para isso, você precisa entender que ouvir é mais importante que falar ou interromper. Agradecer a pessoa por se abrir, por exemplo, faz toda a diferença para quem fala. No entanto, não existe um método oficial. Uma pesquisa da Harvard Business Review traz 6 passos para nos ajudar a organizar a nossa mente para uma escuta ativa. Confira! Valorize o outro! Se você acredita que tem todas as respostas, simplesmente não tem motivos para ouvir. Reconhecer que o outro tem algo de valor a dizer, com habilidades e conhecimentos que podem contribuir para o todo é o começo de tudo. Conhece-te a ti mesmo! Pergunta: você é naturalmente um bom ouvinte, gosta mais de falar ou vai direto ao ponto? Um exercício para notar qual é o seu perfil é definir algo como o “objeto da fala”. Isso significa que você só pode falar quando alguém lhe der esse objeto e não deve interromper o outro enquanto não estiver segurando o “objeto da fala”. Elimine as distrações! Colocar o celular no silencioso, desligar a tela do computador, suspender o notebook e guardar qualquer coisa que possa tirar sua atenção são caminhos essenciais. Quando você desvia o olhar constantemente, passa a mensagem de que a conversa não é importante. Capte a comunicação não verbal! As expressões faciais e os movimentos corporais também falam, seja para reforçar a mensagem, demonstrar que o corpo e as palavras ditas estão em conflito ou dar uma pista para perguntas como “percebo que isso chateia você, há algo mais que gostaria de contar?” ou “você está animado com isso, pode me dizer mais?”. Controle suas reações! Especialmente quando a notícia é ruim, é comum que tenhamos o impulso de interromper quem fala. Por vezes, emitimos uma percepção sobre a informação incompleta. Ficar atento à sua comunicação não verbal também é importante. Como já vimos, o corpo fala. Valide e verifique! Ouvintes eficazes fazem perguntas para esclarecer o que ouviram. Isso é importante para que você não faça suposições e dê a possibilidade da outra pessoa explicar mal-entendidos. Não se trata de concordar, mas de demostrar que valoriza o fato de a pessoa se expressar. Treine sua liderança para uma escuta ativa! Como falamos anteriormente, há pessoas que têm habilidade natural para a escuta. Já outras são mais extrovertidas ou foram ensinadas a falar mais do que ouvir. Por isso, é importante treinar seus líderes para que desenvolvam a habilidade de escutar ativamente. A Supera tem treinamentos de diversos formatos para que sua liderança cresça como um comunicador de qualidade. Fale com a gente e saiba mais sobre as diversas possibilidades que podemos oferecer.

Programas de reconhecimento: por que implantar na empresa?

Separamos alguns dados e insights para você implantar programas de reconhecimento na sua empresa. Confira! Cultura, ritos e reconhecimento Cultura organizacional é a forma das pessoas se comportarem em uma empresa, baseadas em exemplos, ritos, incentivos, valores (pessoais e coletivos) e histórias. Já os ritos são episódios de um negócio, como reuniões periódicas, cafés da manhã com o CEO/presidente, premiações, entre outros. Por fim, o reconhecimento, ao contrário da recompensa, é visto como algo intangível, relacional e inesperado. Desse modo, os programas de reconhecimento são situações e iniciativas criadas para que as pessoas da empresa se sintam valorizadas. O que os dados dizem? Em pesquisa, a SHRM-Globoforce revelou que 68% dos profissionais de RH concordaram que o reconhecimento dos funcionários tem um impacto positivo na retenção e 56% disseram que esses programas também ajudam no recrutamento. Já a SurveyMonkey estima que 63% das pessoas que são reconhecidas no trabalho consideram bastante improvável a possibilidade de procurar um novo emprego. Por outro lado, para aqueles que nunca ou raramente são reconhecidos no trabalho, os números caem para 11%. Além disso, 82% das pessoas entrevistadas consideram o reconhecimento uma parte importante de sua felicidade no trabalho. Como implementar programas de reconhecimento? Veja 5 dicas para implementar iniciativas de reconhecimento na sua empresa. Qual o resultado dos programas de reconhecimento para a empresa? Um elogio faz o cérebro produzir dopamina, que é responsável pela sensação de bem-estar. Mas, do ponto de vista organizacional, o reconhecimento do colaborador traz benefícios concretos. Sendo assim, o reconhecimento reforça modelos de trabalhos que a empresa valoriza contribuindo para que outras pessoas reproduzam esse tipo de ação. Quer implantar programas de reconhecimento ou receber consultoria sobre a melhor forma de comunicá-los? Fale com a Supera!

Dados e mais dados: mensuramos o que realmente importa?

Em poucos anos, fomos de uma intranet simples e com contagem dos acessos para plataformas de envio de e-mails, com número de visualizações e cliques, redes colaborativas, com tempo de leitura, perfis, frequência de acesso e reações. Tudo isso sem falar das plataformas específicas para mensurar a comunicação interna. Em síntese, não há dúvida de que é preciso mensurar o que realmente importa. E buscamos diferentes técnicas e formatos para isso. Pense nas mensurações que você já viu em benchmarkings e eventos. Quantas delas monitoravam dados? E quantas cruzavam dados com a real compreensão das mensagens? Demos passos importantes, mas ainda não chegamos ao destino. Como números e mais números sobre acessos a newsletters, portais e posts podem aprimorar a nossa comunicação interna? É interessante entender o consumo dos canais, mas vale lembrar que o alcance não nos garante a compreensão da mensagem. Pelo modelo da Régua de Efetividade, de Lindenmann, seria nosso olhar para o básico. Revela muito do que produzimos e como os colaboradores consomem a mensagem. Mas não basta se queremos uma atuação comprovadamente mais estratégica. Segundo o estudo da Gallagher (State of the Sector 22/23 – Internal Communication and Employee Experience), com mais de 2 mil organizações ao redor do mundo, apenas 63% das empresas afirmam que mensuram, sistematicamente ou às vezes, o entendimento dos empregados em relação às mensagens. Qual o próximo passo quando mensuramos o que realmente importa? O próximo passo, intermediário, nos leva à recepção e compreensão das mensagens. Uma das formas mais eficazes de monitorar isso é conversar com as pessoas. Por causa disso, perguntamos: O que você entendeu desse comunicado? Onde você viu essa mensagem? Que dúvida ela gerou? Assim, teremos percepções que podem nos despertar para pontos sensíveis sobre a forma de fazer a comunicação interna e até para questões que surgem com as transformações da sociedade. Nós sempre teremos mais perguntas. Nossa linguagem funciona? A estrutura dos nossos textos faz sentido para os perfis geracionais que temos e as novas formas de consumir informação? Por que esse público específico não compreendeu nossa mensagem? Ser entendido é o primeiro passo para a comunicação colaborar com os resultados do negócio. Na era das inteligências artificiais, é mais uma chance de provar nosso valor, unindo dados às percepções que só teremos nas conversas, no contato humano. É fazer uma mensuração que nos ajude a promover as mensagens estratégias de forma que as equipes recebam, entendam e mudem comportamentos. Sua empresa também quer criar oportunidades de engajamento e incentivar o cuidado com a saúde atrelado a um benefício corporativo? Converse com a gente!

Como comunicar ESG na sua empresa?

Saber comunicar as práticas de ESG na sua empresa é fundamental. Com foco na Agenda 2030 da ONU, as companhias estão correndo contra o tempo para enquadrar processos, iniciativas e programas em práticas de ESG. Mas o que isso significa? Em linhas gerais, ESG (Environmental, Social and Governance, ou na tradução livre, Ambiental, Social e Governança) mensura o quanto as empresas estão comprometidas em minimizar os impactos sociais e ambientais de suas operações. Financeiramente falando, o foco está nos parâmetros de análise utilizados por acionistas para decidir onde investir os recursos, além de ser, atualmente, um requisito básico para as empresas se manterem competitivas no mercado – e um diferencial de marca empregadora, uma vez que a nova geração busca empresas comprometidas com causas sociais e ambientais. O cenário ainda é de alerta De acordo com a pesquisa Visão do Mercado Brasileiro sobre os Aspectos ESG, da Bravo Research, parte das organizações ainda está vivenciando um processo de compreensão do tema. Confira algumas dicas para começar a promover e comunicar ESG na sua empresa, com o apoio da Comunicação Interna. Reflexões para a estruturação Estratégia de Comunicação Com o plano de ações definido, é hora de comunicar – aqui você entende melhor como elaborar sua estratégia de comunicação. Conforme a maturidade do tema dentro da empresa, você pode selecionar a melhor intensidade desse processo. Conte com a Supera Comunicação para aprofundar as reflexões sobre o tema e transformar as informações em mensagens mais atrativas. Marque uma conversa com a gente para entender mais a nossa estratégia de comunicação em ESG e conheça nossos cases. 

Canais digitais de comunicação interna

A comunicação organizacional teve que se adaptar por conta da evolução dos formatos de trabalho, utilizando novos canais digitais, além de recursos e ferramentas em seu dia a dia de trabalho para uma comunicação interna mais assertiva. Além disso, a pandemia trouxe novos desafios. Segundo uma pesquisa realizada pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), 67,4% das pessoas de carteira assinada tiveram que trabalhar em home office. Então, o jeito de levar a informação aos colaboradores evoluiu, inclusive, dentro do meio digital. Diante disso, alguns canais digitais ganharam protagonismo no meio da comunicação interna. Veja mais! Rede social interna A plataforma permite a integração entre colaboradores e incentiva uma comunicação mais fluida do que uma intranet permitiria. Em uma plataforma corporativa, como o Workplace from Meta e a Beehome, a comunicação interna se descentraliza, iniciando conversas entre colaboradores da base e da gerência a qualquer momento. Confira algumas das vantagens que essa ferramenta pode trazer para a organização: Quer conhecer alguns cases de implementação de Workplace? Veja o case da Unimed Fortaleza. Gestão digital de processos Para centralizar a comunicação entre as equipes e garantir a execução de todas as fases do projeto, o Trello é uma ótima opção de software para a gestão; se a ideia é gerenciar os processos, aposte no Teams para verificar todas as tarefas do Microsoft To Do e do Planner, além de marcar e-mails ou arrastá-los para o painel de tarefas pendentes da Microsoft a fim de criar e gerenciar tarefas diretamente no Outlook. Com ferramentas como essas, toda a equipe entende quando e o que cada colaborador deve fazer para que o trabalho avance. Os canais também facilitam o compartilhamento de arquivos e a comunicação sobre mudanças nos projetos e novos prazos. Aplicativo de mensagens na comunicação interna WhatsApp e Telegram são bem conhecidos no Brasil, mas também existem ferramentas semelhantes que podem ser usadas para o bate-papo interno. O Slack é um exemplo desse tipo de canal digital. Não há dúvidas de que as mensagens instantâneas são essenciais para a agilidade na comunicação entre os colaboradores, pois garante o bom andamento no dia a dia de trabalho. Porém esse recurso tem suas ressalvas: canais que não são corporativos e oficiais podem ter seus riscos, inclusive de segurança da informação, além de inconveniências, como a falta de controle dos horários que são permitidos o envio de mensagens sobre assuntos profissionais. É importante que, antes da implementação, haja um alinhamento com o jurídico da empresa, para que seja apresentada pontos importantes sobre o direito trabalhista. Portal ou blog como canal digital É fundamental que essas plataformas não estejam vinculadas a um mecanismo de busca aberto (como o Google) e/ou protegido com login e senha, pois neles estarão informações internas e sigilosas sobre o fluxo de trabalho e os informativos da organização. Logo, o público externo não pode ter acesso. Os portais internos armazenam informações sigilosas, como regras organizacionais, procedimentos a serem seguidos e dados financeiros. Por outro lado, nos blogs é possível publicar conteúdos mais imediatos, como dicas, eventos e atualizações sobre produtos e serviços de uma empresa. Formas de se comunicar internamente Além dos canais internos, o jeito de dialogar com o receptor mudou. Antes o objetivo era apenas atingi-lo; hoje é preciso segmentar a comunicação e distribuir a informação relevante para os muitos grupos internos, além de permitir uma conversa mais corporativa. Afinal, entende-se que a maneira em que as informações são absorvidas faz com que o profissional se sinta privilegiado diante dos processos construídos. Por isso, é importante ter em mente que os canais que são utilizados em sua empresa precisão evoluir junto aos formatos de trabalho e à forma como nos comunicamos com as pessoas. Sua empresa precisa de auxílio para a implementação de canais digitais e na humanização da comunicação? Fale com a gente!

Como criar conteúdo atrativo e aproximar o público interno

Uma boa comunicação organizacional sempre vem acompanhada de conteúdos internos relevantes e assertivos para o público interno, além de fáceis e simples de compreender. Inclusive, existem alguns caminhos para como criar uma comunicação atrativa e que torna os assuntos mais próximos das pessoas. Em 2021, a Semrush, plataforma para pesquisa de palavras-chave e dados de classificação on-line, realizou um estudo no qual entrevistou 17 mil pessoas que trabalham com áreas envolvidas na criação de conteúdo. O relatório apresentou alguns resultados. Veja! Para ajudar você nesse processo, vamos apresentar algumas soluções para as adversidades mais comuns. Crie conteúdos interessantes para a organização e não somente para o público Muitas empresas desenvolvem textos e criações pensando no que consideram interessante e importante, mas os colaboradores nem sempre concordam. Certos temas devem ser direcionados apenas para algumas áreas, na qual podem impactar o cotidiano. Uma maneira de resolver esse ponto é fazendo uma pesquisa sobre quais são os públicos e o que pode ser relevante. Ao receber os resultados, crie uma persona para representar os funcionários.  Seja estratégico na produção de conteúdo Criar um bom conteúdo nem sempre é o pilar principal para que ele seja efetivo, pois é necessário que haja estratégia na execução e na divulgação. Após a criação da persona, é preciso conhecer quais assuntos irão impactar quais públicos. Para que as pautas sejam adequadas, é necessário que saibamos o que dizer e a hora que isso deve ser publicado, conhecendo as etapas em que o público interno está e como a divulgação será absorvida. Isso é um grande diferencial. O que também pode auxiliar a melhorar a eficácia é pensar nos assuntos, quem serão os receptores e qual será a implicação daquele tópico na rotina do colaborador. Utilize os formatos a seu favor Às vezes, a comunicação não é transmitida de um jeito coerente ou no formato correto, fazendo com que a mensagem não seja absorvida. Por isso, estude os meios disponíveis para serem trabalhados. Por exemplo: uma newsletter pode ter mais alcance do que um artigo, ou um vídeo pode chamar mais a atenção do que um texto no portal interno. Dependendo da estratégia que foi traçada, analise também a melhor forma de entregar o conteúdo (veja a estratégia de canais que desenvolvemos para BD). Trabalhe a constância Fazer informativos apenas em datas comemorativas ou para comunicar assuntos pontuais não colabora na criação da confiança e interação com os funcionários. A constância mostra que existe um interesse da empresa em manter o colaborador ciente e próximo do que está acontecendo no dia a dia. Veja algumas dicas: Quer saber mais? A Supera oferece diversos serviços que podem auxiliar você com o planejamento de conteúdos e canais, que irão melhor se adaptar ao seu público. Fale com a gente!

Como usar a escuta ativa para conhecer e atender as necessidades profissionais?

Uma equipe é formada por pessoas com pensamentos e ideias diferentes, certo? E isso é o que torna cada um importante para o bom funcionamento de uma empresa. Com esse pensamento, uma ferramenta que pode ajudar a gerenciar e se comunicar com todos de uma forma integrada é a escuta ativa. O que é escuta ativa? O termo é bem autoexplicativo e o método tem como principal objetivo demostrar ao interlocutor que há um interesse claro no que está sendo dito, que existe uma disposição em compreendê-lo. Conforme nossa pesquisa “O multiverso da cultura organizacional e seus desafios para a comunicação interna”, essa metodologia é considerada um desafio nesse novo contexto organizacional pós-pandemia. Por que utilizá-la? Ceder as distrações é algo frequente nos ambientes de trabalho. Por vezes, as pessoas podem se distrair durante uma conversa ou checando as notificações do celular e até mesmo ficar pensando em problemas pessoais Por isso, existe uma certa dificuldade na transmissão do que precisa ser comunicado, pois uma das partes pode não estar prestando atenção. Assim, a escuta ativa entra com a função de repassar as instruções, sanar prováveis dúvidas e encontrar uma solução para as oportunidades de melhoria. Aliás, essa ferramenta é embasada no fato de que todos podem contribuir para melhorar o trabalho. Vantagens da escuta ativa no ambiente de trabalho Essa técnica pode auxiliar em diversos aspectos, confira: Como você implementa? Não existe um jeito certo para a aplicação desse método, mas caso esteja em dúvida em como iniciar na sua equipe ou empresa, comece por: Assim, a escuta ativa pode ajudar a melhorar não apenas os relacionamentos dentro de uma empresa, mas também os processos de vendas, especialmente aqueles em que os clientes entram em contato direto com os profissionais de negócios. Serviços da Supera Quer saber mais como melhorar a experiência do colaborador e fortalecer a cultura organizacional da sua empresa por meio da escuta ativa? Fale com a gente!

O desafio de distribuir sorrisos. A importância da comunicação na pandemia

Quem é a Solar Coca-Cola A Solar é a 2ª maior engarrafadora da Coca-Cola do Brasil e uma das 20 maiores fabricantes do Sistema Coca-Cola no mundo. Hoje, a empresa atua nas regiões Nordeste, Norte e Centro-Oeste, com presença em 18 estados e mais de 15 mil pessoas em seu quadro de profissionais. Desafio Com o início da pandemia de covid-19, a Solar Coca-Cola se viu diante da necessidade de se organizar rapidamente para manter suas operações em atividade, considerando toda a sua estrutura, suas diferentes áreas e mais diversos processos de trabalho. Estratégia Inspirada por seu propósito, traduzido pela “paixão na distribuição de sorrisos e excelência na produção e na distribuição de bebidas”, e tendo como um dos pilares de sua cultura a valorização das pessoas, a Solar priorizou a saúde e a qualidade de vida da sua gente na reorganização de suas atividades. Os profissionais foram divididos conforme a necessidade das suas atividades e direcionados para o modelo home office ou, caso precisassem continuar trabalhando  presencialmente, passaram a atuar com cuidados e orientações redobrados por parte da companhia. Solução Ainda em 2020, no auge da pandemia, várias iniciativas foram adotadas para os diversos públicos, que contaram com o apoio da Supera para sua comunicação. Para todos os colaboradores Protocolo de Ações: desenvolvido e divulgado com atualizações periódicas. Cartilha Orientativa e FAQ: documentos com as principais dúvidas, desenvolvido pelo time de saúde em parceria com a área de engajamento. Reforços de Comunicação: sobre os cuidados com saúde e prevenção da covid-19. Matéria sobre Planejamento Financeiro: com dicas para otimizar o bônus recebido no PRS e orientações estratégicas para se planejar financeiramente. Flexibilização de Vale-refeição e Vale-alimentação: comunicando a possibilidade de os colaboradores direcionarem o valor para suas necessidades. Orientações sobre Benefícios: detalhando as melhorias e as possibilidades de uso de benefícios como plano de saúde, refeitórios e transporte de pessoal. Fortalecimento da atuação dos Embaixadores de Comunicação Interna:  chamados Vozes Solares, eles passaram a compartilhar cards orientativos sobre a prevenção da covid-19 por meio dos grupos de WhatsApp. Telemedicina: realização de exames admissionais e demissionais por meio da telemedicina, além de acompanhamento remoto de colaboradores com suspeita e confirmação de covid-19. Colaboradores em home office Treinamento: sobre ergonomia em casa, realizado de forma on-line. Guia de Ergonomia: criado para apoiar o home office. E-book do Home Office: para ajudar os profissionais a criarem seu espaço de trabalho, se ajustarem aos novos processos e organizarem sua rotina de trabalho. E-book para Lideranças: com orientações sobre como se manter presente e fazer uma nova forma de gesta. Logística Reservatórios de água (corotes): instalados em toda a frota de caminhões, com disponibilização de sabão para reforçar a higienização das mãos. Adesivo orientativo sobre covid-19: instalado em toda a frota de veículos da Solar. Unidades de Produção Fardamento: entrega de uniformes extras para todos os colaboradores. Itens de higiene: disponibilização de álcool 70%, álcool em gel, borrifadores, máscaras descartáveis e reutilizáveis para todos. Comunidades Doações: de 500 mil garrafas para os governos estaduais, com foco no envase de álcool líquido 70%. Segurança Alimentar: doação de 21 mil produtos e mais de 23 toneladas de alimentos para colaboradores, uma vez que muitos profissionais ficaram em situação de vulnerabilidade no período. Ação Estamos Nessa Juntos: coordenada globalmente pela Coca-Cola, suspendeu as campanhas publicitárias da empresa durante três meses e converteu sua verba para apoiar as comunidades onde a empresa atua. Resultado Como destacado pela pesquisa, o cuidado com a saúde e qualidade de vida foi relevante no período. Na Solar Coca-Cola, a soma de todas as iniciativas fortaleceu esse sentimento entre colaboradores e comunidades, de forma prática. Além disso, muitos materiais criados apoiavam as lideranças nos momentos mais sensíveis, orientando-as quanto à relação com suas equipes, enquanto outros tinham como foco a organização dos novos processos de trabalho e a manutenção das relações com os colegas. O impacto dessas ações foi observado na manutenção do engajamento e comprometimento com as atividades, independentemente do formato de trabalho, comprovando a importância dessas iniciativas para o contexto organizacional, conforme mapeado pela pesquisa. Gostou? Esse é um dos temas que a nossa pesquisa “O multiverso da cultura organizacional e seus desafios para a comunicação interna” mapeou. Clique aqui para baixar agora mesmo o e-book com todas as análises e dados da pesquisa.

Workplace como ferramenta de comunicação das empresas

Implementar novas tecnologias passou a ser visto pelas companhias como uma forma de melhorar os processos e garantir uma comunicação mais transparente e mais eficaz. Implementar novas tecnologias passou a ser visto pelas companhias como uma forma de melhorar os processos e atingir os resultados mais facilmente. Afinal, garantir uma comunicação transparente desde o começo do processo da implantação de uma nova tecnologia é um jeito muito eficaz de garantir uma boa experiência para todos os colaboradores. Recentemente, a Supera assumiu esse desafio junto dos mais de 4mil médicos cooperados e 3mil colaboradores da Unimed Fortaleza. Por meio da campanha de implementação do Workplace from Meta, foi possível criar um jeito de se comunicar com as pessoas em tempo recorde (cerca de 1mês), de forma totalmente on-line e durante a pandemia. A Unimed Fortaleza, que atua há 43 anos no mercado de saúde, é atualmente a 8ª maior em número de beneficiários em relação às outras empresas do grupo. Desafio O desafio foi implantar uma rede de trabalho capaz de transformar a realidade da empresa. Para isso, um trabalho de Ressignificação da Comunicação Interna foi desenvolvido a fim de gerenciar o alto volume de demandas operacionais da companhia versus a limitação dos canais antigos. Além disso, um ponto interessante de se observar é que boa parte dos colaboradores não tinham acesso a estação de trabalho fixa com computador, o que dificultava o acesso às comunicações via e-mail e intranet. Então, visando uma melhor comunicação e que alcançasse a todos, a melhor solução, sem dúvidas, é o Workplace from Meta, uma rede colaborativa e de fácil acesso. A Implantação Nossa estratégia para descentralizar a comunicação foi adotar a participação de líderes e influenciadores por meio de uma live de integração para ajudar os colaboradores a se adaptarem à plataforma. Com isso, pudemos levantar informações importantes de como eram transmitidas e recebidas as informações. E, a partir disso, identificar as fraquezas relatadas pelos colaboradores. Resultados Com o uso da ferramenta, foi possível trabalhar a identificação das pessoas com os direcionamentos da empresa e fortalecer uma cultura de comunicação interna, gerando mais engajamento por meio do compartilhamento de conteúdo e informação.

Como funciona o processo de auditoria no Diagnóstico de CI?

Como funciona o processo de auditoria no Diagnóstico de CI?

O Diagnóstico de Comunicação Interna é parte fundamental de um planejamento de comunicação. Afinal, ele consiste em avaliar o cenário da companhia: cultura, práticas de comunicação e canais internos. Esse trabalho envolve diversas fases, entre elas a auditoria. Na Supera, esse processo é conduzido por nossa parceria Amanda Ovando, Analista de Cultura, Comunicação e Marketing que trabalha com diagnósticos desde 2016. Saiba mais! Quais etapas da auditoria? Amanda Ovando: Na auditoria, há três etapas: imersão, pesquisas qualitativa e quantitativa e construção do material para apresentação. Poderia contar mais detalhes? Amanda Ovando: A imersão é dedicada a entender a realidade e as expectativas do cliente, além de estudar todo o material disponível sobre a empresa. Já no segundo momento, acontece a aplicação das pesquisas qualitativas, que contemplam entrevistas individuais em grupo. Essas aplicações são muito ricas e nos trazem muito mais informação do que é efetivamente verbalizado. A partir desse momento, temos um panorama do que é a empresa, cultura, forças, fraquezas e insights, o que possibilita o desenvolvimento da pesquisa quantitativa. Aqui, é possível extrair dados estratégicos e mensurar os diferentes climas existentes com base em localização, tempo de casa dos empregados, área e nível hierárquico. Por fim, entramos na etapa que mais exige dos auditores por se tratar de um volume muito grande de material: o relatório final. É a hora de consolidar todo o aprendizado e dados capturados. São necessárias várias reuniões de alinhamento com a equipe para definir a melhor metodologia e a estratégia com foco em abordar o caso e construir uma narrativa que seja relevante dentro da história e cultura da empresa. Quais os projetos mais marcantes? Amanda Ovando: O projeto mais marcante e desafiador foi da Minerva Foods, companhia que trabalha com exportação de carne bovina e comercialização de processados. O diagnóstico, que durou mais de seis meses, abrangia toda a América Latina e envolveu diferentes países, culturas e operações. Realizei muitas viagens nacionais e internacionais e conheci histórias incríveis de colaboradores. Compilar o material foi muito árduo, mas, ao mesmo tempo, bastante gratificante. A equipe que dividiu esse projeto comigo não podia ser melhor! Como diria Ernest Hemingway: “quem está nas trincheiras ao seu lado importa mais do que a própria guerra”. Outro diagnóstico incrível foi para Owens Illinois (O-I), maior fabricante de embalagens de vidro do mundo. Tive acesso às unidades que produziam garrafas que consumimos no dia a dia.   Para mim, poder conhecer pessoas e suas histórias e ganhar a confiança do entrevistado para que compartilhe comigo sua perspectiva sobre a empresa e, muitas vezes, sua visão do mundo são as partes mais preciosas nessa função! Conheça outros cases da Supera Comunicação!